Mobilidade e vulnerabilidade no litoral Norte de São Paulo: articulações escalares entre o lugar e a região na urbanização contemporânea

  • Eduardo Marandola Jr
  • Cesar Marques
  • Luiz Tiago de Paula
  • Letícia Braga Cassaneli

Resumo

Na urbanização brasileira, assistimos a contínua metropolização e a formação de aglomerações urbanas que extrapolam a
dimensão do intraurbano, formando regiões de urbanização maiores e interligadas, cúmplices dos processos de produção de riscos.
Nesse sentido, a escala regional torna-se fundamental para integrar processos locais (que se manifestam no lugar) e aqueles de ordem
maior, como a distribuição espacial da população e as mudanças ambientais. Exploramos esta discussão no Litoral Norte do Estado de
São Paulo, região que passa por mudanças ambientais de toda ordem, ao mesmo tempo em que presencia processos de mudança
populacional, com grandes empreendimentos, intensa urbanização e consequências à recente Região Metropolitana do Vale do Paraíba
e Litoral Norte, criada em 2012. A partir da análise de lugares específicos, problematizamos a relação vulnerabilidade do lugar,
contextualizados na escala regional da aglomeração urbana de Caraguatatuba e São Sebastião, área de maior conurbação na região.

Referências

[1] ALMEIDA, L. Q. Riscos ambientais e vulnerabilidades nas cidades brasileiras: conceitos, metodologias e aplicações. São Paulo: Ed. UNESP, 2012.

[2] ABDALLA, R. A. O processo de urbanização de Caraguatatuba – A gestão da cidade versus a gestão do balneário. 2004. Dissertação (Mestrado em Urbanismo) – Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas.

[3] ADGER , N.; BROOKS, N.; BENTHAM, G.; AGNEW, M.; ERIKSEN, S. New indicators of vulnerability and adaptive capacity. Norwich: Tyndall Centre for Climate Change Research Technical Report, n. 7, 2004.

[4] BAENINGER, R. Rotatividade migratória: um novo olhar para as migrações no século 21. In: Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 16, 2008, Caxambu. Anais... Belo Horizonte: ABEP, 2008.

[5] BAENINGER, R. Crescimento das cidades: metrópole e interior do Brasil. In: BAENINGER, R. (Org.) População e cidades: subsídios para o planejamento e para as políticas sociais. Campinas: NEPO, 2010. p.209- 222.

[6] BIRKMANN, J. Risk and vulnerability indicators at different scales: Applicability, usefulness and policy implications. Environmental Hazards, v. 7,n.1, p. 20- 31, 2007.

[7] BUTTIMER, A. Home, reach and the sense of place”. In: BUTTIMER, A; SEAMON, D. (Eds.) The human experience of space and place. New York: St. Martin's, 1980.

[8] CARMOLO, R.; MARQUES, C.; MIRANDA, Z. A. I. . Dinâmica demográfica, economia e ambiente na zona costeira de São Paulo. Textos NEPO (UNICAMP), v. 63, p. 1-110, 2012.

[9] CUNHA, J. M. P.; STOCO, S.; DOTA, E. O fenômeno da mobilidade pendular na Macrometrópole do Estado de São Paulo: uma visão a partir das quatro Regiões Metropolitanas oficiais. Campinas: NEPO/Unicamp; EMPLASA, 2013. Disponível em:

acesso em fevereiro de 2013.

[10] DAVANZO, A. M. Q.; NEGREIROS, R. A gestão das regiões metropolitanas do interior paulista: Região Metropolitana de Campinas e Região Metropolitana da Baixada Santista. In: CUNHA, J. M. P. Novas metrópoles paulistas: população, vulnerabilidade e segregação. Campinas: NEPO/UNICAMP, 2006.

[11] DE PAULA, Fernanda C. Vulnerabilidade do lugar em Bairros de Campinas. Textos NEPO (UNICAMP), v. 62, n.1, p. 23-50, 2011.

[12] DE PAULA, F. C.; MARANDOLA JR., E.; HOGAN, Daniel J. "Quando mato vira bosque é porque melhorou, né?" Mobilidades e permanências constituindo territórios urbanos. GEOgraphia (UFF), v. 12,n.1, p. 85-107, 2010.

[13] DE PAULA, F. C.; MARANDOLA JR., E.; HOGAN, D.J. Vulnerabilidade e territorialidade em bairros de Campinas. Textos NEPO (UNICAMP), v. 61,n.1, p. 1- 132, 2011.

[14] DE PAULA, L. T.; MARANDOLA JR., E. Memória e experiência no estudo da vulnerabilidade. In: D’ANTONA, Á.; CARMO, R. L.. (Org.). Dinâmicas demográficas e ambiente. Campinas: Nepo.Unicamp, 2011, v.1 , n.1,p. 143-156.

[15] DILLEY, M.R.S.; CHEN, B.; DEICHM ANN , U.; LERNER-LAM, A.; ARNOLD, M. Natural disaster hotspots: a global risk analysis. Washington: World Bank Publications, 2005.

[16] IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Mapeamento de Risco e Parecer Técnico. Caraguatatuba, 2010.

[17] HUSSERL, E. A crise das ciências europeias e a fenomenologia transcendental. São Paulo: Forense Universitária, 2012.

[18] IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Microdados da Amostra do Censo Demográfico 2000. Rio de Janeiro: IBGE, 2002.

[19] IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Microdados da Amostra do Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

[20] HOGAN, D. J. A Qualidade Ambiental Urbana: oportunidades para um novo salto. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 9, n.9, p. 17-23, 1995.

[21] LEMON, J. T. The urban community movement: moving toward public households. In: LEY, D. ; SAMUELS, M.
S. (eds.) Humanistic geography: prospects and problems. Chicago: Maaroufa Press, 1978. p.319-337.

[22] LENCIONI, S. Uma nova determinação do urbano: o desenvolvimento do processo de metropolização do espaço. In: CARLOS, A. F. A.; LEMOS, A. I. (Orgs.) Dilemas urbanos: novas abordagens sobre a cidade. São Paulo: Contexto, 2003.

[23] LUCHIARI, M. T. D. O lugar no mundo contemporâneo: turismo e urbanização em Ubatuba-SP. 1999. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

[24] LYNCH, K. A imagem da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

[25] MARANDOLA JR., E. Habitar em risco: vulnerabilidade e mobilidade na experiência metropolitana. 2008. Tese (Doutorado em Geografia) – Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

[26] MARANDOLA JR., E. Mobilidades contemporâneas: distribuição espacial da população, vulnerabilidade e espaços de vida nas aglomerações urbanas. In: CUNHA,
J. M. P da. (Org.). Mobilidade espacial da população: desafios teóricos e metodológicos para o seu estudo. Campinas: Nepo/Unicamp, 2011. p. 95-115.

[27] MARANDOLA JR., E. Vulnerabilidade do lugar: construção de um objeto e de uma metodologia em população e ambiente. Textos NEPO (UNICAMP), v. 62, n.1,p. 13-22, 2011.

[28] MARANDOLA JR., E. As escalas da vulnerabilidade e as cidades: interações trans e multiescalares entre variabilidade e mudança climática. In: OJIMA, R.; MARANDOLA JR.,E. (Org.). Mudanças climáticas e as cidades: novos e antigos debates na busca da sustentabilidade urbana e social. 1ed.São Paulo: Blucher, 2013, v.1, n.1, p. 91-113.

[29] MARANDOLA JR., E.; HOGAN, D. J. Vulnerabilidade do lugar vs. vulnerabilidade sociodemográfica: implicações metodológicas de uma velha questão. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 26,n.1, p. 161-181, 2009.

[30] MARANDOLA JR., E.; HOGAN, D. J. Vulnerabilidade do lugar e riscos na Região Metropolitana de Campinas. Textos NEPO (UNICAMP), v. 62,n.1, 2011. 173p.

[31] MARANDOLA JR., E.; et al. Crescimento urbano e áreas de risco no Litoral Norte de São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Estudos de População, v.30, n.1, p.35-56, 2013.

[32] MENDONCA, F. A. Riscos e vulnerabilidade socioambientais urbanos: a contingência climática. Mercator, v. 9, n.1,p. 153-163, 2010.

[33] MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1971.

[34] MODESTO, F. Populações em situações de risco ambiental em São Sebastião, Litoral Norte de São Paulo. 2011. Dissertação (Mestrado em Demografia) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

[35] OJIMA, R. Dimensões da urbanização dispersa e proposta metodológica para estudos comparativos: uma abordagem socioespacial em aglomerações urbanas brasileiras. Revista Brasileira de Estudos da População, v. 24, n.1,p. 277-300, 2007.

[36] PENDALL, R.; THEODOS, B.; FRANKS, K. Vulnerable People, Precarious Housing, and Regional Resilience: An Exploratory Analysis. Building Resilient Regions Working Paper, N.02/2011, 2011.

[37] PEELING, M. The vulnerability of the cities. London: Earthscan, 2003.

[38] RACO, M., STREET, A. Resilience Planning, Economic Change and The Politics of Post-recession Development in London and Hong Kong. Urban Studies, v. 49, n.5, p.1065-1087, 2012.

[39] REIS, N. Notas sobre a urbanização dispersa e novas formas de tecido urbano. São Paulo: Via das Artes, 2006.

[40] RELPH, E. Place and placelessness. London: Pilon, 2010.

[41] UNDP. Reducing disaster risk: a challenge for development, a global report. UNDP Bureau for Crisis Prevention and Recovery. New York: UNDP, 2004.

[42] SCHUTZ, A. Fenomenologia e Relações Sociais. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

[43] SEAMON, D. Afterword: community, place, and environment. In: BUTTIMER, A.; SEAMON, D. (eds.) The human experience of space and place. London: Croom Helm, p.188-196, 1980.

[44] TUAN, Y-F. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Londrina: Eduel, 2012.

[45] TUAN, Y-F. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Londrina: Eduel, 2013.
Publicado
2014-06-10
Como Citar
JR, Eduardo Marandola et al. Mobilidade e vulnerabilidade no litoral Norte de São Paulo: articulações escalares entre o lugar e a região na urbanização contemporânea. Revista Espinhaço | UFVJM, [S.l.], p. 110-126, june 2014. ISSN 2317-0611. Disponível em: <http://www.revistaespinhaco.com/index.php/journal/article/view/59>. Acesso em: 23 july 2021. doi: https://doi.org/10.5281/zenodo.3966404.
Seção
Artigos