Reflexões sobre os critérios de cálculo de vazões outorgáveis em áreas de conflito do estado de Minas Gerais: o caso da Bacia do Ribeirão Ribeiro Bonito

Autores

  • Rodrigo Silva Lemos
  • Antônio Pereira Magalhães Junior

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.3962255

Palavras-chave:

gestão de recursos hídricos, conflito, uso da água, regionalização de vazão

Resumo

O artigo realiza a comparação entre diferentes técnicas de regionalização de vazão adotadas nos processos de gestão de recursos hídricos em Minas Gerais e os resultados de medições hidrométricas realizadas em campo. Para ilustração dos dados e estudos é considerada a bacia hidrográfica do ribeirão Ribeiro Bonito, único local na bacia do Rio das Velhas em que foi oficializada uma Declaração de Área de Conflito (DAC), diante da baixa disponibilidade de quantidade de água em relação às demandas existentes. A pesquisa destaca que diferentes técnicas de regionalização de vazão geram variados resultados se aplicados a áreas com limitações de dados e, em especial, a áreas de cabeceira de cursos d’água.

Referências

Barreto PS, Lemos RS, Sepúlveda R. 2011. Envolvimento e Sensibilização das Comunidades a partir da Recuperação de Nascentes e Matas Ciliares na Bacia do Rio Taquaraçu. Disponível em: http://www.cbhvelhas.org.br/images/projetos%20SCBH/PR OJ%20TAQUARACU_FINAL.pdf. Acesso em 08/06/2015.

Borsoi ZMF, Torres SDA. 1997. A política de recursos hídricos no Brasil. Revista do BNDES 4( 8): 143-166.

Chaves HML, Rosa JWC, Vadas RG, Oliveira RV T. (2002). Regionalização de vazões mínimas em bacias através de interpolação em sistemas de informação geográfica. Revista Brasileira de Recursos Hídricos 7(3): 43-51.

CBH Rio Das Velhas. Atualização do Plano Diretor de Recursos Hídricos. Disponível em www.cbhvelhas.org.br/planodiretor acesso em 28/09/2015.

Lei 9433 de 08 de janeiro de 1997. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9433.ht> Acesso em: 30 de maio de 2016.

Lei 13199 de 29 de janeiro de 1999. Disponível em: <http://www.siam.mg.gov.br/sla/download.pdf?idNorma=6 89> Acesso em: 30 de maio de 2016.

Oliveira CM. 2012. Tribunais de recursos hídricos: abordagem sobre o tribunal da água de Florianópolis e o tribunal da água de valência e a possibilidade de implantação no brasil. Revista de Direito Internacional Econômico e Tributário , 3 (1).

Magalhães Jr. AP. 2007. Indicadores ambientais e recursos hídricos: realidade e perspectivas para o Brasil a partir da experiência francesa. Bertrand Brasil.

Minas Gerais. 2016. Lei nº 13.199, de 29 de janeiro de 1999. Dispõe sobre a Política Estadual de Recursos Hídricos e dá outras providências. Disponível em:<http://www.siam.mg.gov.br/sla/download.pdf?idNorm a=5309>, acesso em: 06 de jun. de 2016.

Rego FS. 2013. Regionalização de vazões considerando a evapotranspiração real em seu processo de formação. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Viçosa.

Resolução Conjunta SEMAD – IGAM nº 1548, de 29 de março 2012. Disponível em:

<http://www.igam.mg.gov.br/images/stories/CTIG/4-r-c-semad-igam-no-1548-versao-publicada.pdf> Acesso em: 30 de maio de 2016.

Rios FP, Formiga KTM, Alves PL, Oliveira VT. 2011. Estudo comparativo entre métodos de medição de vazão em cursos d’água. XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos. Maceió: Alagoas.

Souza SMT. 1993. Deflúvios superficiais no estado de Minas Gerais . COPASA/Hidrosistemas. UNESCO. 2001. A ética do uso da água doce: um levantamento. Cadernos UNESCO Brasil, Série Meio Ambiente. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001271/127140por.pdf. Acesso em 21 de fev. 2015

Downloads

Publicado

04-12-2015

Edição

Seção

Artigos